O Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada (PPGLA) do Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução do Instituto de Letras da Universidade de Brasília foi criado por recomendação de especialistas enviados pela CAPES à UnB em 1999, a partir de um Programa em Língua Inglesa que havia sido descontinuado no ano anterior. A partir de 2005 iniciou-se uma reestruturação do Programa, envolvendo intensa organização político-institucional interna e a renovação de quadro de docentes. Destaca-se a ampliação de sua estrutura física e tecnológica, a internacionalização do Programa e a ampliação dos meios para a sua maior inserção social nos âmbitos local e regional.


Dessa forma, o PPGLA desempenha um importante papel na formação de docentes e pesquisadores na região centro-oeste, recebendo também alunos de outros estados das regiões norte, nordeste e sudeste do país, bem como estudantes de outros países. O Programa tem desenvolvido um trabalho de relevância na disseminação do conhecimento e formação de profissionais na área de Linguística Aplicada por meio da realização de eventos para divulgação dos resultados da pesquisa científica na área e do oferecimento de cursos presenciais e a distância de educação continuada de professores de línguas. Destaca-se o Programa de Extensão na Formação Continuada de Professores de Línguas do DF, que atrai professores de escolas regulares para o convívio formador da pós-graduação.É esse grande projeto que foi recentemente reconhecido como merecedor de nota 4 pelo desempenho superior no quadriênio 2013-2016.


A área de concentração do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da UnB, Práticas e teorias no ensino-aprendizagem de línguas, possui duas linhas de pesquisa:

1) Processos formativos de professores e aprendizes de línguas: esta linha de pesquisa abriga estudos que contemplem os muitos aspectos dos processos de ensinar, aprender e avaliar línguas nos diversos contextos de instrução - formais, informais e mistos, presentes na sociedade brasileira, contemplando as diferentes faixas etárias e os diferentes públicos e agentes envolvidos no ensino de línguas – alunos, pais, professores, autoridades escolares etc.

2) Língua e cultura na competência comunicativa: Esta linha ocupa-se da descrição e conceituação teórica das diferentes formas de inter-relação e interdependência entre o conhecimento linguístico e o conhecimento cultural, especialmente em relação à sua relevância no processo e construção da competência comunicativa na nova língua.